João Mafra
Penetra surdamente no reino das palavras. Lá estão os poemas que esperam ser escritos. - Drummond
CapaCapa TextosTextos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato
Textos

SONETO DA NOITE.
Quando o véu escuro da noite cai
e os notívagos saem a esmo
a cidade com luzes artificiais
luzes que brilham em si mesmo.

Tão perdidos e em busca do nada
caminham tristes de cabeça baixa
no escuro de suas próprias almas
sem brilho sem luz na vazia caixa

Oh! seres da escuridão aflitos
não olhem pra esse luar bonito
pois é só um pouco de ilusão

Sofrem coitados, almas sem razão.
Como a noite que é escura e fria
padecem de tanta dor, comoção.

João Mafra
Enviado por João Mafra em 14/07/2013
Alterado em 24/02/2018
Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários